<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=238571769679765&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
Falar com um consultor

    Categorias

    A adoção da computação em nuvem conquistou o mundo e não para de crescer. Conforme o relatório anual State of the Cloud da Flexera, 93% dos entrevistados já usam estratégias de infraestrutura em nuvem múltipla ou híbrida. 

    O consumo de recursos de computação como serviço oferece grande flexibilidade às empresas, permite que elas controlem custos e se concentrem nas necessidades principais do negócio, em vez de nas operações do datacenter. 

    À medida que o cenário da computação se desenvolveu ao longo dos anos, com a onipresença das conexões de alta largura de banda, a variedade de serviços e modelos de preços cresceu. 

    Com os provedores competindo por gastos de Opex e oferecendo não apenas recursos básicos de computação, mas também alternativas de plataforma como serviço e serviços altamente especializados, como armazenamento de dados e aprendizado de máquina, a complexidade para os consumidores que adotam um custo ideal ou a melhor abordagem da categoria tem aumentado. 

    No entanto, essa aparente complexidade é o resultado de uma diversidade de opções, enquanto aplicações individuais podem realmente ver uma redução na complexidade geral. 

    Este post examina diferentes aspectos da complexidade da infraestrutura em nuvem e abordagens para mitigá-la.

    Aspectos da complexidade de várias nuvens 

    O uso eficaz de recursos de nuvem vai muito além de simplesmente mover aplicativos locais existentes para uma plataforma de nuvem. Muitas vezes, repensar as arquiteturas com base na disponibilidade de serviços em nuvem pode simplificar bastante os projetos e as operações.

    Afinal, o offloading operations é o principal benefício da computação em nuvem. Por exemplo, uma aplicação que anteriormente exigia um cluster altamente disponível pode ser transformado em um cliente de banco de dados como serviço (DBaaS) – o que, na prática, alivia a carga da operação. 

    Portanto, um uso criterioso de serviços e tecnologia em nuvem pode resultar em uma redução da complexidade geral (arquitetônica e operacional), pelo menos para uma única plataforma.

    Na outra extremidade do espectro de um rehosting simples está a transformação nativa da cloud. Uma abordagem nativa da nuvem, geralmente associada a aplicações em contêiner, leva em consideração a flexibilidade da nuvem em um nível fundamental.

    As aplicações são divididas em serviços, cada uma com seu próprio ciclo de vida, API e semântica relacionada, tolerância a falhas e escalabilidade. A transformação para nuvem nativa é normalmente longa – e não tudo ou nada. 

    Isso significa complexidade potencial no gerenciamento de cargas de trabalho em aplicações legadas on premise, serviços hospedados na nuvem e workloads nativos na nuvem (on premise e fora do local), tudo simultaneamente.

    Fatores que complicam as aplicações de uma infraestrutura de nuvem multi e/ou híbrida

    Segurança 

    Cada nuvem tem seu próprio perfil de segurança que pode ser combinado com outras clouds, especialmente para aplicações que abrangem nuvens. Colocar a aplicação em várias nuvens requer a compreensão desses regimes de segurança e expõe as cargas de trabalho baseadas na nuvem a ameaças que não estão presentes em cenários locais.

    APIs 

    Cada nuvem tem suas próprias APIs, com seus próprios substantivos e verbos. Mesmo os recursos de nuvem que são superficialmente idênticos em cada nuvem (como Imagem ou Instância) podem ter semânticas sutilmente diferentes.

    Logging 

    O log operacional para fornecer visibilidade e diagnóstico é essencial em um ambiente distribuído. A complexidade de coletar e consolidar as informações de log em várias plataformas pode ser substancial. O registro em log também é fundamental para auditorias de segurança.

    Como escapar das armadilhas da complexidade

    Para muitas empresas, a mudança para explorar os recursos da nuvem não faz parte de uma estratégia, mas sim é o resultado de equipes individuais abordando as necessidades à medida que elas surgem. 

    Esse tipo de migração desorganizada para a nuvem resulta em silos de tecnologia e explode a complexidade geral ao introduzir um pacote de scripts, ferramentas, tecnologias e padrões.

    Para escapar dessa armadilha da complexidade, as empresas devem adotar uma estratégia de nuvem apoiada que não jogue fora os investimentos irrecuperáveis, mas que possa fornecer um caminho para um futuro mais gerenciável e econômico.

    Etapa 1: Comunique

    Para qualquer organização de tamanho significativo, o design e a execução de uma estratégia de nuvem requerem a coordenação e cooperação de muitas funções e grupos de negócios. Isso pode incluir áreas como finanças, gerenciamento de produtos, vendas, engenharia, operações e possivelmente outras. 

    Sem buy-in e cooperação, qualquer estratégia elaborada provavelmente não terá sucesso. A chave é a comunicação para reforçar a confiança, entender objetivos e construir uma visão de um futuro melhor. Essa comunicação precisa ser contínua e não apenas uma única etapa do processo.

    Etapa 2: Audite

    Uma empresa típica não tem uma compreensão abrangente do uso atual da infraestrutura em nuvem. O uso da cloud computing geralmente evoluiu em silos organizacionais de maneira reativa. E às vezes nem se sabe realmente qual é o uso. Por isso, é importante fazer uma auditoria de 100% do uso dos recursos da nuvem na empresa. 

    É fundamental desenvolver uma estratégia abrangente que quebre esses silos sempre que possível, melhore a segurança e controle os custos. Sem entender esses aspectos do uso atual, qualquer estratégia desenvolvida será irreal e improvável de ter sucesso.

    Etapa 3: Planeje

    Com os dados da auditoria em mãos, o planejamento pode começar. Como a guerra, poucos planos sobrevivem ao contato com o inimigo. Portanto, planeje.

    Conte com a ajuda de um parceiro especialista

    Organizações em todo o mundo, estão realmente lutando com ambientes multi-cloud complicados. A chave para um plano bem-sucedido é adiar a interrupção o maior tempo possível adotando a tecnologia que será fundamental para o sucesso da estratégia.

    A seleção de ferramentas pode ser afetada pela plataforma de nuvem escolhida. Em uma estratégia multinuvem, essa camada de base é a tecnologia de automação que reduzirá e gerenciará a complexidade inerente à adoção de várias plataformas. Os grupos que serão mais impactados pela escolha precisam estar profundamente envolvidos e apoiar a seleção da ferramenta. 

    A automação agnóstica em nuvem pode fornecer uma saída para a “selva” de tecnologias, fornecendo controle centralizado e processos repetíveis e com versões (ou seja, infraestrutura em nuvem como código).

    A grande questão é que, para muitos gestores, é difícil fazer tantas escolhas e orquestrar sozinho um projeto de infraestrutura em nuvem. 

    A EVEO é uma parceira que oferece todos os recursos para melhorar a experiência de consumo em cloud, além de diferenciais técnicos exclusivos em cada solução. Também investe na construção de uma parceria sólida com cada cliente, sustentada por um modelo de relacionamento próximo.

    A transformação digital para o futuro da nuvem multi/híbrida é repleta de promessas e perigos. Uma abordagem incremental para o desenvolvimento de automação, com a escolha de um parceiro como a EVEO, podem maximizar o benefício de adotar várias nuvens e minimizar os riscos.

    Conheça o que a EVEO pode fazer pela sua empresa.