<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=238571769679765&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
Falar com um consultor

    Categorias

    Com o objetivo de entregar um serviço de excelência, um data center deve trabalhar sobre uma arquitetura flexível, escalável e econômica. O armazenamento definido por software é uma tecnologia que surgiu de modo a facilitar e agilizar o processo de movimentação de dados e contribuir com esse objetivo.

    Com a crescente utilização de tecnologias como computação na nuvem, big data e internet das coisas, há também um enorme aumento no volume de dados. Por isso, disponibilidade e alto desempenho também são pré-requisitos para que as aplicações funcionem com agilidade.

    Mostraremos a seguir, de que maneira essa tecnologia pode contribuir para otimizar a administração e utilização de recursos de maneira eficiente. Acompanhe!

    Entenda o que é armazenamento definido por software

    O armazenamento definido por software (SDS – Software Defined Storage) é parte de um contexto chamado de convergência, no qual processamento de dados, armazenamento e redes são virtualizados e agrupados em serviços controlados por software. Ou seja, cada um desses componentes tem sua interface de controle, no caso do armazenamento (storage), ela é chamada SDS.

    Assim, o SDS é uma camada de software instalada em uma infraestrutura de servidores, com o objetivo de eliminar a necessidade de configurações manuais entre o hardware e a entrega de serviços. Dessa maneira, o controle sobre os recursos são dissociados do hardware físico, criando assim a abstração. Com isso, há uma maior flexibilidade e melhor aproveitamento do espaço para armazenamento, que pode ser ajustado conforme a demanda do negócio.

    O SDS pode ser instalado em qualquer servidor com padrão de arquitetura x86, pois toda sua inteligência fica na camada do software, sendo assim, o hardware necessário deixa de ser exclusivo de um modelo ou fabricante com software proprietário, podendo ser considerado uma commodity, pois não há a necessidade de um grande valor agregado. Essa característica é muito importante, considerando-se que custo é um fator cada vez mais relevante.

    Por se tratar de um software bastante flexível, é possível consolidar vários dispositivos de armazenamento no mesmo servidor que hospeda as máquinas virtuais da aplicação, criando a chamada hiperconvergência.

    Entenda o que é necessário para a execução do SDS

    O SDS poderá ser executado em qualquer disco ou servidores, pois, diferentemente de outros softwares, esse modelo de armazenamento não depende tanto do hardware que está instalado, mas do próprio software. Isso acontece porque o SDS é desenvolvido para lidar com falhas no hardware, que pode acontecer a qualquer momento, independentemente da vida útil ou custo. Para suportar essa falha, o sistema distribui as cargas de trabalho na infraestrutura.

    O SDS poderá ser executado no sistema operacional padrão da máquina virtual ou do servidor em que está instalado, sendo que algumas soluções poderão ser instaladas em containers. Isso permite aos usuários gerenciar as aplicações e serviços de armazenamento utilizando apenas uma interface, não importando a infraestrutura em que o container está — virtual, nuvem ou bare-metal.

    Saiba como funciona o SDS

    As principais funcionalidades de um SDS podem ser agrupadas em duas camadas. Na camada de plano de controle é feito o gerenciamento dos recursos virtualizados. Nela, é possível gerenciar, controlar e acessar os dados armazenados através de funções como:

    • gerenciamentos dos volumes por projeto;
    • políticas de segurança e controle de acesso;
    • interfaces de comunicação;
    • gerenciamento de backups.

    A segunda camada, chamada de plano de dados, é responsável pelo armazenamento dos dados nos dispositivos. Nela são gerenciadas as funções de infraestrutura, tais como: virtualização, replicação, criptografia, indexação, etc.

    O modo de funcionamento do SDS é similar à virtualização. A principal inteligência está na camada de software, proporcionando uma maior flexibilidade na administração dos recursos. Isso porque, o software permite que todo o hardware seja visto como um grande volume que pode ser distribuído e configurado conforme a necessidade de cada aplicação.

    Veja as principais características dessa tecnologia

    O armazenamento definido por software oferece diversos recursos.

    Abstração

    O SDS trabalha sobre uma camada de abstração. Portanto, não é preciso configurar o hardware fisicamente para definir o espaço a ser utilizado, isso é feito pela camada de software.

    Virtualização

    Por meio da virtualização, é possível reunir diversos tipos de dispositivos, como discos, fitas etc., e apresentá-lo como uma unidade lógica gerenciada pelo sistema.

    Automação

    O SDS automatiza a configuração de recursos de armazenamento, o que facilita o trabalho do administrador.

    Escalabilidade

    Todos os recursos de software e hardware são apresentados como um grande pool de serviços de armazenamento alocáveis. Assim, quando a aplicação solicita um serviço, ele é composto, dinamicamente e precisamente, com capacidade, performance e proteção desejada pela aplicação.

    Flexibilidade

    O SDS pode trabalhar com armazenamento interno, externo ou cloud. Dessa maneira, a empresa pode integrar seu ambiente existente ao sistema, de acordo com a tecnologia desses dispositivos, que devem seguir o padrão x86.

    E-book Gratuito: Data Center Virtual

    Scale-out

    Oferecer suporte a big data e analytics é fundamental em SDS. Por isso, o sistema permite o dimensionamento horizontal do ambiente, de modo que as requisições sejam direcionadas a atender às necessidades do sistema.

    Contêineres

    Por meio de contêineres, os recursos são precisamente adaptados e ajustados conforme a necessidade da aplicação. Com isso, as aplicações vizinhas não são afetadas.

    Entenda o que pode ser feito com SDS

    O SDS, assim como qualquer outro dispositivo de storage de mercado, pode ser utilizado em diversos casos.

    Computação na nuvem

    O SDS pode ser utilizado tanto por provedores de nuvem pública, com o intuito de oferecer mais benefícios em seus produtos de armazenamento, como por empresas que têm nuvem privada. O seu funcionamento permite ainda a sincronização dos dados, facilitando o uso conjunto dos dois conceitos de computação em nuvem (a chamada nuvem híbrida).

    Virtualização de desktops

    Na virtualização de desktops, é feita uma imagem do sistema operacional e aplicativos instalados na máquina que, então, é disponibilizada ao usuário virtualmente. Dessa maneira, o desktop pode ser acessado em qualquer lugar e de qualquer dispositivo.

    Big data

    O sistema facilita a criação e configuração de um ambiente para armazenamento e análise dos dados de maneira ágil e econômica. Isso facilita o trabalho com big data, já que essa tecnologia movimenta um grande volume de dados.

    Internet das coisas

    A internet das coisas utiliza diversos aplicativos que movimentam muitos dados. Por isso, o SDS é uma opção de armazenamento com preços mais acessíveis, o que viabiliza o uso dessa tecnologia.

    Conheça os benefícios de sua utilização

    Por que devo adotar o armazenamento definido por software? A quantidade de dados produzidos e armazenados nas empresas é cada vez maior. O crescimento é exponencial, ou seja, o modelo tradicional de armazenamento — SANs e NAS —, nesse cenário, pode enfrentar uma gama de problemas, que vão desde o alto custo, downtime de armazenamento, problemas de latência, complexidade de migração de dados, entre outros.

    O nosso objetivo ao adotar o SDS é eliminar esses problemas, ganhando uma série de vantagens, como as mostradas abaixo. Acompanhe!

    Reduza custos

    Uma das grandes vantagens do SDS é a economia. Por utilizarem hardware padrão x86, os custos de utilização são mais acessíveis. Outro fator que contribui na redução de gastos são os recursos de automação, já que os administradores do sistema não gastam muito tempo em atividades operacionais. Além disso, os recursos de otimização economizam espaço em disco, o que também ajuda a diminuir custos.

    Simplifique o gerenciamento do armazenamento

    Com o crescimento exponencial de dados, simplificar a administração dos recursos de armazenamento é um grande benefício. Isso porque, o SDS oferece uma forma prática, simples e automática de gerenciamento.

    Tenha acesso a diferentes tipos de armazenamento

    A flexibilidade do software, permite que sejam criados vários tipos de armazenamento. Essa personalização é estratégica em muitos casos, pois existem três fatores relevantes para a escolha da melhor solução de armazenamento: a performance, o volume de dados e o custo. Diante desses fatores, os tipos mais comuns de armazenamento são:

    • Performance (all flash);
    • Standard;
    • Enterprise;
    • Capacity;
    • Backup.

    Ganhe poder de escolha

    Com o SDS você ganha a possibilidade de escolher o hardware que executará os seus serviços de armazenamento. Você não ficará preso a empresa que vendeu o hardware, pois o SDS não precisará ser da mesma marca.

    Utilize qualquer base ou servidor x86 para fazer a criação de uma infraestrutura com base em SDS. O que isso significa? Que você poderá aumentar a capacidade do hardware conforme a sua demanda de armazenamento.

    Adote múltiplas fontes de dados

    Outra vantagem em adotar o armazenamento definido por software, é que o usuário tem a possibilidade de utilizar sistemas de discos externos, recursos flash ou em HD, servidores virtuais, nuvem, plataforma de objeto em rede, tudo junto para criar um volume de armazenamento integrado.

    Adapta à sua demanda

    Por não depender do hardware com o SDS, o processo de automação poderá utilizar qualquer volume de armazenamento em que estiver conectada. Dessa forma, o sistema de armazenamento poderá se ajustar ao desempenho e demanda de dados, sem a necessidade de intervenção por parte do administrador, conexões novas ou novo hardware.

    Tenha uma solução escalável

    A arquitetura SDS por padrão, é mais escalável do que outros modelos de armazenamento. Para as empresas que estão mergulhando na transformação digital, o armazenamento definido por software entrega uma gama de recursos que otimizam os processos:

    • agilidade flexível de TI;
    • facilidade e simplicidade de administração, pelas características do gerenciamento autônomo de armazenamento;
    • redução de custos.

    Conforme esses requisitos se tornam indispensáveis nas listas de critérios de aquisição das empresas, de forma fluida, essa receita de armazenamento tende a migrar para o SDS

    Confira os principais mitos relacionados ao SDS

    Embora seja uma tecnologia em franco crescimento, o armazenamento definido por software ainda traz algumas confusões e mitos ao seu respeito. Para ajudar você a desvendá-los, destacamos os dois principais.

    Não se trata de virtualização de armazenamento

    Apesar da confusão entre os dois conceitos, eles não são iguais — os dois envolvem a abstração de algum componente de hardware do armazenamento. Acontece que, quando há a virtualização do armazenamento, há o agrupamento de vários dispositivos de armazenamento, como se tivesse tudo em um único dispositivo. O SDS promove a abstração dos serviços ou software de armazenamento, separando-os do próprio dispositivo.

    SDS não é nuvem

    Outra confusão recorrente é achar que SDS é nuvem, o que também não é verdade. A nuvem é formada pela reunião de recursos virtuais, acessíveis sob demanda, por meio de um provedor — esse acesso é facilitado quando a empresa utiliza um software de gerenciamento e automação.

    O SDS é uma camada que auxilia na alimentação de dados em uma nuvem, atuando nesse ambiente cloud com foco no armazenamento unificado. Isso significa que o SDS utiliza os recursos de armazenamento em nuvem, como a rede e sistemas de gestão e armazenamento — que garantem escalabilidade e a entrega de serviços sob medida. Essa relação entre SDS e cloud é que acaba confundindo as pessoas que acreditam se tratar do mesmo conceito.

    Servidor Dedicado EVEO

    Entenda os tipos de SDS

    Ao optar por utilizar o SDS é preciso escolher a melhor maneira de fazer isso. Empresas com uma grande variedade de hardwares ligados podem optar por integrá-lo a uma solução SDS e utilizar somente o software. Já empresas que também precisam de armazenamento, é preciso uma solução conjunta de hardware e software.

    Há também a opção de utilizar o SDS na infraestrutura hiperconvergente, que é opção de administrar o processamento, armazenamento e redes em um único sistema. Por fim, deve-se optar pelo modelo de licenciamento, já que existem no mercado softwares pagos ou open source.

    O futuro do armazenamento definido por software

    Com a evolução de tecnologias como a internet das coisas, evolução dos dispositivos móveis, das mídias sociais e entrada das empresas na transformação digital, a tendência é aumentar a demanda por armazenamento escalável — é inviável contar com armazenamento fixo.

    Esse crescimento gera um desafio para os afinal, esse aumento de capacidade demandará uma maior capacidade de suporte e de equipe. Nesse cenário, para que a produtividade cresça sem grandes cursos, a empresa deverá investir cada vez mais em soluções de automação, reduzindo cada vez mais o gerenciamento manual.

    O SDS veio para facilitar esse gerenciamento, pois o gestor conseguirá integrar os volumes de armazenamento, sem a preocupação de integrá-los aos outros sistemas.

    Grandes desafios em relação ao armazenamento de dados corporativo

    Com o crescimento imparável na produção de dados corporativos, as empresas estão buscando soluções que agilizem os processos sem grandes custos. Os principais desafios enfrentados pelas empresas em relação ao armazenamento são:

    • custos elevados de hardware e software;
    • problemas em relação à latência;
    • períodos de inatividade de armazenamento;
    • complexidade das migrações;
    • consolidação de ambientes;
    • gerenciamento de silos de dados;
    • a produção de dados cada vez maior e volumosa.

    Por ser uma solução moderna, o SDS está preparado para abordar todos os pontos críticos que a sua empresa pode estar enfrentando em relação ao armazenamento. Não importa o hardware que a sua empresa trabalha, o software será responsável por controlar e determinar as funções, serviços, recursos e benefícios que a sua empresa poderá oferecer aos usuários finais, aos aplicativos e ambientes.

    A modernização do armazenamento já deixou de ser uma inovação ou um projeto de TI, se tornando uma iniciativa que colabora para o crescimento e transformação da empresa como um todo.

    Neste post, vimos que o armazenamento definido por software é uma tecnologia que proporciona inúmeros benefícios ao negócio. Além disso, é possível utilizá-la de diversas maneiras e com um custo bem atrativo. Mais do que implementar uma tecnologia nova, estamos falando da inserção de sua empresa na transformação digital.

    Agora que você já conhece todos os benefícios de utilizar o SDS, assine já a nossa newsletter e receba mais conteúdos ricos como este diretamente.