<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=238571769679765&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
Falar com um consultor

    Segundo pesquisa da Kaspersky, ocorreu um aumento em 330% no número de tentativas de invasão a sistemas corporativos no Brasil em 2020. Uma maneira de se proteger dessa situação é apostando em tecnologias de segurança mais robustas, como a MFA.

    Neste texto, você entenderá o que é a autenticação multifatorial, qual a sua importância e como você deve implementá-la em sua organização para manter as suas informações sigilosas mais protegidas.

    O que é MFA?

    MFA, também conhecida como Autenticação Multifatorial, é uma camada adicional de proteção utilizada para proteger contas online, sistemas e dados sensíveis, fazendo um maior controle de acessos. Enquanto a verificação tradicional requer apenas um fator, geralmente uma senha, a autenticação multifatorial exige que o usuário forneça dois ou mais fatores de verificação para confirmar sua identidade.

    Os fatores de autenticação geralmente se enquadram em três categorias:

    • Algo que você sabe: senhas, PINs ou respostas a perguntas de segurança;
    • Algo que você tem: um dispositivo físico, como um smartphone, token de proteção ou cartão inteligente, que gera um código único;
    • Algo que você é: características biométricas, como impressões digitais, reconhecimento facial ou de íris.

    Ao combinar dois ou mais desses fatores, a MFA cria uma barreira adicional para invasores, dificultando o comprometimento da conta, mesmo que a senha seja vazada. Isso aumenta significativamente a segurança, reduzindo o risco de acesso não autorizado e protegendo informações confidenciais.

    Essa técnica de proteção é amplamente adotada em ambientes corporativos e também está disponível para usuários individuais em muitos serviços on-line, proporcionando uma camada extra de proteção contra fraudes, roubo de identidade e outras ameaças cibernéticas.

    Qual a importância do MFA?

    O uso da verificação multifatorial permite adicionar uma camada adicional de segurança além das tradicionais senhas. Enquanto as senhas podem ser comprometidas por meio de violações de dados, phishing ou força bruta, a MFA exige múltiplos fatores de autenticação, tornando muito mais difícil para os invasores acessarem uma conta, mesmo que tenham obtido a senha.

    A tecnologia ajuda a mitigar uma série de ameaças cibernéticas, incluindo ataques de hackers, roubo de identidade, fraude e acesso não autorizado a sistemas e dados confidenciais. Ao exigir mais do que apenas o conhecimento de uma senha, como um dispositivo físico ou uma característica biométrica adicional, a verificação multifatorial aumenta significativamente a proteção das contas on-line.

    Outro ponto interessante é que a MFA é essencial para conformidade com regulamentos de segurança de dados e padrões da indústria, como o GDPR (Regulamento Geral de Proteção de Dados) e as diretrizes de proteção PCI DSS (Padrão de Segurança de Dados do Setor de Cartões de Pagamento), que exigem medidas robustas de proteção de dados.

    Como funciona o MFA na nuvem?

    A Autenticação em multifatores na computação em nuvem funciona de maneira semelhante à sua implementação em outros ambientes, mas com algumas nuances específicas para a computação cloud. Em essência, a verificação multifatorial adiciona uma camada extra de proteção, exigindo que os colaboradores forneçam múltiplos fatores de autenticação para acessar serviços e recursos na nuvem.

    Em um cenário de MFA na computação em nuvem, o processo de verificação começa, geralmente, com o usuário tentando acessar uma conta ou recurso protegido. Após inserir suas credenciais de login, como nome de usuário e senha, o sistema de autenticação multifatorial solicita um segundo fator de verificação.

    Esse segundo fator pode ser enviado por meio de diferentes métodos, como um código de verificação enviado por SMS, um token gerado por um aplicativo de autenticação, uma notificação push em um dispositivo móvel ou mesmo uma impressão digital, ou reconhecimento facial.

    Uma vez que o usuário forneça o segundo fator de verificação com sucesso, o acesso é concedido à conta ou ao recurso desejado. Este método de autenticação em duas etapas ou mais adiciona uma camada extra de segurança, pois mesmo se as credenciais de login forem comprometidas, o invasor ainda precisará do segundo fator de verificação para acessar a conta.

    Utilizar a MFA na nuvem oferece vantagens adicionais, como a capacidade de integrar facilmente serviços de autenticação em plataformas e aplicativos hospedados na on-line, escalabilidade para lidar com muitos usuários e recursos avançados de análise de proteção para detectar e responder a atividades suspeitas.

    Como aplicar o MFA no gerenciamento da nuvem?

    Para aplicar a verificação multifatorial de forma eficaz, os seguintes passos podem ser seguidos:

    1. Avalie a plataforma de nuvem

    Primeiro, é necessário avaliar se a plataforma de computação em nuvem escolhida oferece suporte nativo para MFA. Muitos provedores de serviços em nuvem, como AWS, Azure e Google Cloud Platform, fornecem ferramentas integradas para configurar e gerenciar a autenticação multifatorial.

    2. Configure as políticas de segurança

    O segundo passo é definir políticas de proteção claras e rigorosas, o que inclui determinar quais colaboradores e grupos de usuários serão obrigados a usar MFA, quais métodos de verificação serão permitidos e quais serão as exceções, se aplicável.

    3. Escolha do método de autenticação

    Selecionar os métodos de verificação apropriados para sua organização é outro passo importante. Isso pode incluir o uso de aplicativos de autenticação móvel, SMS, tokens de hardware, biometria ou outros métodos de verificação suportados pela plataforma de computação em nuvem.

    4. Invista no treinamento e conscientização dos usuários

    Esse passo pode envolver a realização de treinamentos regulares de segurança cibernética e a divulgação de práticas recomendadas.

    5. Faça monitoramento e manutenção contínua

    Uma vez implementado, é preciso monitorar continuamente o sistema de autenticação multifatorial, revisar e atualizar políticas de proteção conforme necessário e estar ciente das novas ameaças e vulnerabilidades que possam surgir.

    Assim, ao conhecer e entender como funciona a MFA, você terá uma grande aliada para garantir a segurança de seus recursos e dados críticos, além de ser compatível com as tecnologias em nuvem já utilizadas pela sua empresa. 

    Gostou desse assunto? Aproveite para ler também o nosso artigo sobre tudo o que você precisa saber sobre gerenciamento em nuvem!