<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=238571769679765&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
Falar com um consultor

    Categorias

    Com o aumento de demanda e de pressão por resultados, as infraestruturas de TI não podem ficar instáveis e indisponíveis. Por isso, é fundamental ler o guia do virtual machine e conhecer as estratégias de virtualização e entender como elas asseguram melhor desempenho e segurança. Nesse contexto, a tecnologia de virtual machine (VM) é crucial e gera uma série de resultados positivos para as empresas.

    Neste post, vamos falar sobre virtual box e o que é virtual machine, como é usado, e quais são as suas principais vantagens. Além disso, vamos apontar sobre as suas principais características e fornecer detalhes acerca da virtualização, segurança, flexibilidade, redução de custos, melhor aproveitamento do hardware, provisionamento de recursos, redundância etc.

    Veremos ao longo do artigo o que caracteriza essa solução e por que ela é importante. Se quiser saber mais, acompanhe até o final. Boa leitura!

    O que é virtual machine?

    A virtual machine, ou máquina virtual, é um modelo de virtualização que cria abstração de recursos computacionais e particiona um computador em várias imagens simuladas. Ou seja, possibilita que o usuário acesse uma simulação de computador dentro de outro.

    Nesse sentido, a partir de um gerenciador que funciona como uma interface, o hardware principal é dividido em vários pool de recursos, o que permite uso deles para objetivos diferentes e específicos.

    É uma solução que particiona a capacidade do CPU, da memória, dos recursos de rede, do disco rígido e outros componentes. Ou seja, cada parte desses recursos é separada para cada uma das máquinas, chamadas de guests. Contudo, todas essas partes ainda pertencem fisicamente a uma mesma máquina, o host.

    Uma característica interessante é que as VMs apresentam o que chamamos em TI de encapsulamento. Uma máquina virtual não tem acesso a outra, nem mesmo sabe que a outra existe. Ou seja, os componentes de uma não são compartilhados com outra, o que reforça a simulação de vários computadores em um e facilita aplicações para diversos fins, que veremos adiante.

    O que é virtualização?

    Esse conceito se tornou relevante nos anos 60, quando a IBM buscava uma solução para economizar custos com os grandes mainframes. A proposta encontrada foi dividir um computador em vários outros por meio de uma interface de gerenciamento. O conceito evoluiu bastante e hoje é a base da computação em nuvem. Existem vários tipos de virtualização:

    • de servidores, que cria servidores simulados com uma parte da capacidade de um físico;
    • virtualização de desktops (VDI), em que uma ferramenta central consegue configurar ambientes desktop em diversas máquinas de uma única vez;
    • virtualização de SOs, que abstrai apenas o sistema operacional.

    Em servidores, o gerenciador de uma virtual machine é o Hypervisor, uma aplicação que viabiliza a comunicação entre os sistemas operacionais e os hardwares. Toda vez que alguma instrução solicita capacidade computacional nas VMs, o Hypervisor se encarrega de realizar a divisão e separação do pool dos recursos necessários.

    A virtualização deu origem a outras tecnologias como os containers, que funcionam como pacotes isolados com dependências e arquivos necessários para a execução de uma determinada aplicação. Ademais, essa metodologia também deu suporte ao BYOD (Bring Your Own Device), uma estratégia em que os colaboradores utilizam seus próprios computadores e acessam remotamente os sistemas da empresa.

    Como é usado?

    Um dos principais usos de máquinas virtuais é no desenvolvimento de sistemas. Essas ferramentas podem ser aplicadas para testes específicos, em um lançamento de uma versão beta do produto, por exemplo. Em casos em que o sistema operacional da aplicação é diferente do que é utilizado para desenvolvimento, os programadores conseguem realizar os testes sem precisarem instalar um novo SO nos computadores principais.

    Além disso, também é usado quando os colaboradores precisam estabelecer comunicação com sistemas legados, que geralmente funcionam em softwares mais antigos e obsoletos. Da mesma forma, é útil para acessos remotos, possibilitando comunicação entre SOs diferentes.

    Um computador pode acessar remotamente a imagem virtual de outro. Outra aplicação é para testar arquivos infectados e realizar simulações a fim de estudar ação de malwares. Também são utilizados para backups.

    Quais as vantagens?

    Uma das principais vantagens da virtual machine é a sua capacidade de atuação para verificar arquivos mal-intencionados que podem roubar dados ou causar outros danos. Nesses casos, a solução aparenta ser um computador real, o malware atua e seus prejuízos podem ser avaliados. Veremos em detalhes quais os benefícios da virtualização com máquinas virtuais!

    Segurança

    Como já vimos, virtual machines apresentam encapsulamento, logo, são ótimas opções para reforçar a segurança em uma estratégia de virtualização. Os sistemas virtuais não interferem nos outros, assim, problemas em um deles não representam problemas nos outros, muito menos no host. Por essa razão, uma das aplicações que discutimos é o teste de arquivos infectados.

    Além do mais, as VMs são controladas e monitoradas pelo computador principal de maneira centralizada, o que garante menos tolerância a riscos. No caso de configuração de vários servidores, por exemplo, eles são administrados de maneira integrada, o que garante cuidado e proteção maiores.

    Flexibilidade

    Outra característica que demonstra a importância do uso de VMs é a flexibilidade. As VMs não estão restritas a sistemas físicos, mas funcionam como arquivos de computador: podem ser facilmente transferidas de uma máquina para outra. Esse fator possibilita mudanças e ajustes nas abordagens para atender a novos objetivos nos projetos da empresa.

    E-book Gratuito: Data Center Virtual

    Redução de custos

    Essa estratégia representa redução de despesas para as empresas, assim como significou essa vantagem para a computação quando a virtualização surgiu, em 1960. É possível prevenir a compra de novas máquinas para adicionar recursos aos projetos e, com isso, economizar custos com espaço físico para abrigar esses ativos.

    Da mesma forma, a empresa evita despesas com instalação dessas novas máquinas, manutenção, consumo de eletricidade e necessidade de refrigeração. Tudo isso é eliminado com uma estratégia que utiliza os equipamentos já existentes a fim de alocar novos componentes para as necessidades da companhia.

    Melhor aproveitamento do hardware

    Uma característica diretamente associada à diminuição de custos é o melhor aproveitamento dos hardwares e de suas capacidades.

    Quando uma máquina é usada para tarefas que ocupam apenas uma parte de seu poder computacional, a virtualização aloca o resto para as VMs, o que aumenta a eficiência do ativo. Essa abordagem é essencial para garantir retorno sobre o investimento na aquisição e nas manutenções do equipamento.

    Provisionamento de recursos

    Outra vantagem é o provisionamento de recursos, o que é feito de maneira prática e rápida. Afinal, é preciso escolher exatamente a quantidade que será utilizada para cada projeto ou necessidade. O Hypervisor, então, faz o seu trabalho.

    Redundância

    Vale citar também a redundância, que é uma demanda importante para manter sistemas estáveis atualmente. Uma estrutura de máquinas virtuais em um servidor ajuda nesse sentido, pois se uma VM falhar e deixar alguma aplicação indisponível, as outras podem ser acionadas para substituí-la rapidamente. Isso diminui o downtime, reduz custos e perda de lucro, satisfazendo as necessidades da empresa e gerando valor para os superiores.

    Como implantar a virtual machine na empresa?

    A aquisição de tecnologias são investimentos que geram excelentes resultados se as ferramentas forem integradas de maneira inteligente ao cotidiano do negócio. Veja a seguir as etapas que devem ser seguidas para implantar a máquina virtual na empresa:

    • analise o perfil do negócio e das demandas que precisam da ferramenta;
    • verifique se a solução oferece segurança da informação corporativa;
    • avalie a política de suporte e como ocorrem as atualizações dos desenvolvedores;
    • faça a integração de maneira inteligente.
    • averigue se a ferramenta é compatível com a infraestrutura da organização;
    • invista em treinamento para os profissionais que vão usar a solução;
    • escolha uma máquina virtual em Cloud;
    • minimize as possibilidades de riscos.

    Tome cuidados para fazer a aquisição de uma solução que esteja alinhada com as demandas e o perfil do empreendimento. Com isso, a sua empresa sairá na frente dos concorrentes e terá a chance de inovar.

    Onde encontro um passo a passo?

    Caso você tenha interesse em implantar a virtual machine na empresa, é importante contar com um profissional técnico que saiba realizar o procedimento. Entretanto, a seguir você vai encontrar um passo a passo para criar uma máquina virtual utilizando o virtual box, que é um software gratuito.

    1º Passo

    Faça o download do virtual box e instale-o no seu computador para criar o disco virtual. Após concluir a instalação, abra o software e escolha a opção “Novo” para começar a criação. Em seguida, será necessário informar o nome da nova máquina virtual, selecionar o tipo do sistema operacional, se Linux ou Windows, e a versão correspondente. O nome pode indicar os programas e a configuração do hardware que foi utilizada.

    2º Passo

    Clique em “Próximo” para abrir a janela “Memória”. Agora você vai selecionar a quantidade de memória RAM em megabytes, sendo que o software recomenda o tamanho de 250MB. Saiba que ao utilizar uma quantidade de memória, ela se tornará indisponível para o Windows. Caso você utilize o Linux é indicado selecionar 512 MB, e se for Windows, opte por no mínimo 1GB.

    3º Passo

    Selecione o botão “Próximo” para prosseguir com a criação do novo disco virtual que será reconhecido como um arquivo do sistema do tamanho disponível para a nova máquina virtual. Marque as opções “Disco de Boot” e criar novo disco rígido e siga em frente.

    4º Passo

    Na hora de escolher o formato, não faça alterações, escolha a alternativa padrão “VDI - VirtualBox Disk Image” e vá adiante. Na janela “Detalhes do armazenamento de disco virtual selecione a opção “Dinamicamente alocado” para economizar o espaço no disco, ou “Tamanho Fixo” se quiser criar o disco do tamanho escolhido de uma única vez.

    4º Passo

    Prepare-se para criar o novo disco virtual. Observe a janela “Localização e tamanho do arquivo de disco virtual”. Nela você vai informar o nome do arquivo em disco no qual ficará o disco virtual ou selecione a pasta para a localização desejada. Depois, escolha o tamanho máximo do disco virtual em MB, sendo que ele poderá variar entre 4 MB e 2TB.

    5º Passo

    Na próxima janela denominada “Sumário” aparecerá um resumo das configurações selecionadas. Verifique-as e se estiver tudo de acordo com as suas necessidades, clique em “Criar”. A sua máquina virtual será criada e aparecerá com o status “Desligada”. Selecione-a e clique em “Iniciar” e ela se ligará.

    6º Passo

    Agora chegou a hora de escolher a imagem do sistema operacional, com o auxílio do “Sistema de Primeira Execução”. Clique em “Próximo” para fazer as configurações básicas e instalar o sistema operacional na máquina virtual. A seguir, é necessário clicar no ícone em fora de pasta, abrir o Windows Explorer e escolher a mídia de instalação. Ela contém o programa para a instalação do sistema operacional a ser instalado.

    7º Passo

    Escolha a imagem do sistema operacional que precisa ser instalado. Por fim, leia o sumário final que registra os detalhes do arquivo e fornece informações relevantes. Se os dados estiverem certos, pressione o botão “Finalizar” para que a mídia seja montada e a máquina virtual iniciada. Talvez seja preciso ejetar a mídia de modo manual.

    Você poderá montar diversas máquinas virtuais com perfis diferenciados e rodá-las simultaneamente. Contudo, se almeja ter uma virtual machine de alto desempenho, saiba que conseguirá encontrar no mercado a solução ideal pronta para a sua empresa.

    Quais são as diferenças para o dual boot e containers?

    Dual boot são termos utilizados quando dois ou mais sistemas operacionais são colocados para funcionarem de modo independente em um único computador. Assim, o usuário escolhe qual sistema vai usar quando inicia a máquina. Nessas condições, a vantagem é que todos os recursos podem ser utilizados sem a interferência do outro sistema operacional, é só mudar de um para o outro.

    O ponto negativo do dual boot é a necessidade de particionar o disco rígido em duas ou mais seções usar um disco para cada sistema. O espaço particionado não é mais reconhecido pelo outro e se a capacidade de armazenamento esgotar para um dos sistemas, não poderá ser utilizado o espaço do outro.

    Containers são ambientes onde as aplicações são agrupadas para auxiliar no trabalho da equipe de Tecnologia da Informação (TI). Dessa forma, os profissionais da gestão de TI vão conseguir realizar as suas tarefas em um determinado ambiente, e os recursos dos outros containers ficarão isolados. Essa solução utiliza processos de Kernel e recursos dos sistemas para a criação dos ambientes.

    O container não tem visão geral do ambiente físico, mas promove a comunicação do hardware com o sistema operacional e os demais containers, que fazem o isolamento das aplicações. Ele cria serviços e códigos independentes que são movimentados entre ambientes e máquinas sem perder dados.

    Agora você já sabe um pouco mais sobre virtual box e o que é virtual machine! Como vimos, virtual machine é um conceito importante e que vale a pena acompanhar. Com sua aplicação, as empresas desfrutam de maior segurança, disponibilidade dos sistemas e redução de custos, o que possibilita que a TI gere resultados que impactem positivamente o negócio como um todo.

    O artigo foi útil? Então, assine a nossa newsletter e receba outros conteúdos úteis e relevantes em seu e-mail.