<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=238571769679765&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">
Falar com um consultor

    Categorias

    Entre os diversos avanços tecnológicos que surgiram nos últimos anos, principalmente com a aceleração do crescimento no século XXI, está a computação em nuvem. Na prática, este elemento se tornou referência para armazenamento de dados e informações por parte de empresas e até mesmo de pessoas em suas vidas particulares.

    Clouds privadas e públicas

    Este tipo de ferramenta pode ter características privadas ou até mesmo públicas. Tudo depende da intenção de quem a constrói e de qual será a utilização daquele tipo de informação, como ela pode ser compartilhada, ou se deve ficar recolhida apenas para quem tiver permissão de acesso.

    A principal pergunta que surge, porém, é: como administrar as clouds (nuvem, em inglês) com eficiência, construindo uma ferramenta que resolva os problemas e traga as soluções desejadas. Uma das maneiras é por meio do OpenStack.

    O que é OpenStack?

    O OpenStack é uma plataforma de código aberto (open source) que vai possibilitar por meios virtuais a criação e também o gerenciamento de clouds privadas e públicas.

    Com esse software, é possível elaborar projetos de cloud que envolvam o armazenamento de dados, redes, imagens, entre outros.

    Dessa forma, é possível agrupar as funções que desejar para criar uma nuvem que satisfaça às necessidades da empresa e que seja uma solução verdadeiramente implementável.

    A arquitetura do OpenStack divide-se em diferentes serviços, como:

    • Swift: armazenamento e recuperação de dados usando uma API RESTful;
    • Neutron: conexão de redes entre serviços OpenStack;
    • Horizon: interface e funcionalidades do painel do administrador;
    • Nova: acesso e gerenciamento total das funcionalidades do OpenStack;
    • Glance: armazenamento e recuperação de imagens de disco de máquinas virtuais.

    Por que o OpenStack é importante

    Conhecendo o conceito, fica mais fácil entender os motivos que levam esta ferramenta a ser tão útil na criação e, também, no gerenciamento das clouds.

    Primeiro, porque o OpenStack consegue controlar bem a enorme quantidade de servidores, sejam físicos ou virtuais, que acabam acessando os dados que estão na nuvem. Isso mantém a situação sob segurança, mesmo no caso das clouds públicas.

    Além disso, o armazenamento (chamado de storage, em inglês) é bastante eficiente, garantindo que as informações se mantenham organizadas e prontas para qualquer necessidade de uso. Geralmente, o OpenStack também cria interfaces mais simples, sem trazer enormes desafios para quem precisa acessar. Há segurança, claro, mas com a maior simplificação em termos de usabilidade por quem tem o acesso.

    Integração com outros programas

    Para completar, usar soluções de OpenStack para construção de computação em clouds, sejam públicas ou privadas, permite a integração com outros programas, terceirizados, que sejam colocados nos servidores para aumentar a eficiência de determinada função da empresa.

    Na prática, isso quer dizer que o OpenStack permite modularidade, que é a adaptação a diversos programas e necessidades que os departamentos tenham para acessarem a nuvem de maneira mais eficiente para seus setores. Isso sem falar na capacidade de gerenciar as regras de firewall, de iniciar quantas redes privadas de acesso forem necessárias etc.

    Para finalizar este conteúdo, convidamos o leitor a explorar nosso blog, que conta com diversos conteúdos relevantes sobre diferentes temas relacionados à tecnologia e suas utilizações. Se preferir, fale também com nossos consultores e entenda de que forma podemos ajudá-lo.